Páginas

O homem mais inteligente da história - Augusto Cury

Título: O homem mais inteligente da história
Autor (a): Augusto Cury
Publicação: Sextante - 2016
Número de páginas: 272
Onde encontrar: AmazonSaraiva, Skoob
Nota: 🌟🌟🌟
"O segredo da felicidade é fazer muito do pouco."
Essa é a história de Marco Polo, um psiquiatra e pesquisador ateu. Quando ele está em um das conferencias da ONU e quando expõe suas ideias sobre gestão da emoção é desafiado a estudar a mente de Jesus, por uma profissional que estava na platéia. Depois de ter sofrido uma enorme perda em sua vida, Marco Polo embarca para Jerusalém para outra conferência e novamente é desafiado a estudar a mente de Cristo. Então, depois de muita coisa em sua vida ele resolve aceitar esse grande desafio.
"Ser feliz é contemplar a assinatura do Autor da Existência nas coisas simples e anônimas. É se deslumbrar com a chuva e com o sol. É recomeçar tudo de novo quando necessário."
Augusto Cury é um autor, o qual eu sempre tive um certo preconceito. Confesso que preconceito esse infundado, ja que, nunca tinha lido nenhuma história dele. Certa vez conversando com amigos descobri simplesmente que ele é um homem cristão que escreve livros falando sobre uma amor que temos em comum: Cristo. Depois disso, ele entrou em minhas listas de desejados. E eis que surgiu a oportunidade.
E talvez tenha ficado um pouco claro o tamanho das minhas expectativas, né?
O autor escolheu criar um romance em cima das suas teorias. Pegou todos os seus estudos e ideias e colocou um personagem para defende-las. Marco Polo é um personagem extremamente estudioso e inteligente, que ao longo da história passa por muitas situações difíceis em sua vida pessoal, mas mesmo com isso, continua com sua vida acadêmica impecável. Ele expõe suas idéias em grandes conferencias mundiais de tanto que é influente em sua área profissional.
"Aprendo mais com quem me desafia do que com quem me aplaude"
Na conferência de Jerusalém, Marco Polo convida um amigo para ajudá-lo na mesa de debates sobre Cristo. O outro lado da mesa está um cristão católico e um protestante e ele e seu amigo são, obviamente, estudiosos, psiquiatras e ateu. E o objetivo da mesa não é defender religião e sim idéias sobre a gestão da emoção de Cristo. Conforme as conferencias vão acontecendo, elas vão sendo transmitidas ao vivo pela internet e muita gente começa a ser atingida pelas ideias de gestão de emoção e é nítido na história como muitas vidas vão sendo transformadas.
"Jesus usou duas técnicas modernas de proteção emocional: a primeira, doar-se sem cobrar demais, diminuir a expectativa do retorno; a segunda, não exigir dos outros o que eles não podem dar."
As ideias expostas nessa história sobre Cristo e sobre a Palavra são realmente muito inteligentes e muito incrível. Muitas delas acrescentaram muito a minha vida, a minha fé e a minha intimidade com Deus. Buscar a Deus realmente nos leva para perto dEle. Buscá-lo é realmente o segredo. E Augusto Cury nos faz pensar e explorar coisas que talvez não tivesse ainda passado por nossa cabeça e/ou que tivéssemos conhecimento. De certo que essa história acrescenta muito.
"Talvez Jesus tenha sido o personagem que mais foi testado em seu autocontrole. Ele estava livre, poderia decidir se calar, ir embora ou usar seu suposto poder para controlar e fascinar seus desafetos, mas se portou como um simples ser humano. Não queria provar nada para ninguém."
Apesar de ter me acrescentado e das ideias expostas terem sido válidas essa leitura foi uma decepção para mim. Eu não consegui me conectar com nenhum personagem e não consegui me identificar com a narrativa. A ideia de romantizar essa história para mim não funcionou. Eu teria amado o livro se ele fosse um livro mais teórico mesmo, espiritual. Não achei que foi uma jogada legal do autor. Infelizmente a expectativa era grande demais e acabei me decepcionando bastante. Provavelmente não lerei mais nada do autor porque realmente não me identifiquei com a sua forma de escrever, nada tem a ver com a sua temática porque isso eu amei. Mas isso é algo que vai de experiencia para experiencia, talvez você goste. Apesar de eu não ter gostado eu indico você ler e tirar suas conclusões :)
"O maior perigo é ficarmos indiferentes a dor do outro"

0 comentários:

Deixe seu comentário