Páginas

[Resenha] Um Acordo e nada mais - Mary Balogh

Título: Um Acordo e nada mais (Clube dos Sobreviventes #2)
Autor (a): Mary Balogh
Publicação: Arqueiro - 2018
Número de páginas: 304
Onde encontrar: Amazon, Saraiva, Skoob
Nota: 🌟🌟🌟🌟
"....Nas nossas fraquezas, talvez possamos encontrar forças" 
Depois que perdeu a visão, Vincent, o visconde Darleigh, vivia cercado de mulheres. Sua mãe, avó e irmãs insistiam em cuidar dele, e já haviam decidido que o casamento traria muitos benefícios. Quando elas tentam lhe empurrar uma pretendente, Vincent foge apenas com seu valete Martin. Ao longo da viagem, os dois acabam indo para o lugar onde ambos nasceram: o vilarejo de Barton Coombs. Devido ao título, riqueza e beleza, Vincent logo é reconhecido como um bom partido e volta a ser perseguido, agora pelas moças do vilarejo. Uma delas em especial faz uma artimanha para fisgá-lo, mas ele é salvo por Sophia Fry. Sophia está acostumada a viver nos bastidores, entretanto ela sairá deles para ajudar um homem em um momento de necessidade e acabará perdendo o pouco que tinha. Diante da difícil realidade da moça que se prejudicou por ajudá-lo, o visconde acaba tendo uma ideia: um acordo entre ele e Sophia, um casamento em que ambos pudessem ter aquilo que sonhavam. Contudo os sonhos mudam e a medida que os dois se conhecem, vão perceber que aquele acordo talvez não seja mais o suficiente.
"Poderia um casamento nascido no desespero levar duas pessoas a encontrar o amor?"
No segundo livro da série, vamos conhecer a história de Vincent, o mais jovem membro do clube dos sobreviventes, que após uma batalha na guerra acabou perdendo a visão. Desde o primeiro volume eu gostei muito desse personagem. Ao mesmo tempo que ele tem um lado sensível e doce, buscando se adaptar ao seu novo estilo de vida de uma forma não só independente mas descobrindo novas aptidões, também enfrenta muitas sombras e dor ligado a tudo que passou, precisando trabalhar suas angustias e sofrimentos. Gostei de como ele evoluiu, ao longo do livro, indo em busca daquilo que queria pra sua vida.
"Se as pessoas não puderem pedir perdão, então nada poderá ser perdoado, e as feridas supuram"
Vincent não é o único personagem complexo do volume, Sophia também esconde muito por trás de sua personalidade "ratinha". Ela cresceu sem a mãe, com uma pai que levava uma vida desregrada e se tornou órfã antes de se tornar adulta, dependendo de parentes que não cuidavam dela como deviam. Ela vai precisar se reencontrar e superar problemas de autoestima e amor próprio. E a autora também construiu isso de forma muito legal na história.

Pra mim isso com certeza é a melhor parte do livro: a forma como Mary construiu esses personagens. Em um primeiro olhar você pode pensar que se trata de uma história clichê de casamento por conveniência, onde vai surgir um grande amor, mas é muito mais que isso. Os personagens são tão reais, com dores tão vivas, que se torna um romance muito mais profundo. 

"-Não tenho como saber - respondeu ele. - Não consigo ver""-Mas pode sentir"
O clube todo é formado por personagens assim, complexos e verdadeiros. Mas quando eles se encontram existe uma camaradagem, uma amizade bem divertida, que me faz dar boas risadas e trás leveza ao enredo. Foi um ponto alto conviver mais com os outros membros, ir conhecendo eles um pouquinho melhor. 

O problema pra mim nessa leitura foi que as coisas aconteceram muito no inicio, e achei que depois não houve um clímax, um grande acontecimento. Então os personagens são incríveis, gostei de como eles evoluíram, mas o rumo da história foi meio morno, ficou aquele gostinho de "falta algo". Só por isso, a nota foi 4. Contudo, super vale a pena conhecer esse clube de sobreviventes, tão único e real. Ahh e assim como no primeiro volume, a edição desse também é linda, a editora arrasou! Adoro a escrita da Mary e já quero " Uma loucura e nada mais".






0 comentários:

Deixe seu comentário