Páginas

[Resenha] Vox - Christina Dalcher

Título: VOX
Autor (a): Christina Dalcher
Publicação: Arqueiro - 2018
Número de páginas: 320
Onde encontrar: Amazon, SkoobSaraiva
Nota: 🌟🌟🌟🌟,5
"Imagino o que as outras mulheres fazem. Como elas lidam com isso...Será que ainda amam os maridos como antes? Será que os odeiam, nem que seja só um pouquinho?
Nos Estados Unidos, em anos não muito distantes de hoje, as mulheres andam com dispositivos nos pulsos, contadores de palavras. Elas podem usar cem palavras, e todo dia a meia-noite, o contador zera.  Além disso, elas tem obrigações muito claras com suas famílias, devem obedecer aos maridos e tudo na sociedade foi modificada para fortalecer a submissão. É nessa realidade que a ex-Dra. Jean McClellan vive com seu marido, Patrick, e seus quatro filhos: Steve, Sam, Leo e Sonia. A cada dia é mais difícil para Jean, se adaptar e aceitar a forma como sua única filha está sendo criada. Até que ela recebe uma "proposta": o governo precisa que ela volte ao trabalho para salvar o irmão do presidente. E essa pode ser sua única chance de dizer o que pensa, ou até mesmo de mudar a realidade, antes que ela acabe perdendo sua voz para sempre. 

Vox é uma distopia, não muito a frente do nosso tempo.  A autora  nos apresenta uma sociedade onde as mulheres não tem voz, nem escolhas, nem carreiras. Onde o caminho delas é seguir o que o homem deseja. Gostei de como Christina construiu a trama, levando Jean a pensar no passado e refletindo sobre o presente, e como eles chegaram até ali. Ela vai analisar as mudanças nas relações, o próprio papel nesse processo e até onde ela iria para mudar esse contexto. 
"- As mulheres são todas malucas - continua ele. - Isso não é novidade, mãe. É aquela história das mulheres histéricas e de "surtos da mãe""- O quê? Onde você ouviu isso?""- Aprendi hoje na escola. Um cara chamado Cooke, ou sei lá o quê..."
Em 10% de leitura meu pensamento foi: QUE LIVRÃO! E já tinha milhões de quotes salvos no Kindle 😂😂. Não quero expor muito do enredo (você tem que ter o prazer de descobrir só). Gostei da forma como ela construiu ele e os personagens, a gente sente raiva de muitos deles, principalmente de homens, mas a autora desenvolve legal o porquê de alguns deles terem se tornado o que são e que nem todos compartilham dos mesmos preconceitos.  Só o que não me agradou muito foi o final, queria que tivesse sido mais desenvolvido, achei muito rápido. Parecendo que a autora teve pressa de terminar, por isso a nota 4,5. 
"Odeio que os homens da minha família digam a Sonia como ela é bonita...Odeio ter de apenas olhar e ouvir"

Apesar disso,  amei ler essa história. Ela com certeza me mudou, fortaleceu ideias e me levou a reflexões. Não vou mentir pra você, também foi doloroso, ler sobre mulheres silenciadas. Mas é extremamente importante, porque a verdade é que já somos silenciadas de outras formas menos ou mais sutis, e nem sempre percebemos. 
"Provavelmente não. Eles não vão nos matar pelo mesmo motivo que não autorizam abortos. Nós nos transformamos em males necessários, objetos para ser fodidos e não ouvidos"
Assim que eu terminei, eu já sabia que precisaria relê-lo. Foi incrível e assustador. Adorei a escrita da autora e a forma como ela discutiu tudo, a opressão, os preconceitos, as estratégias de uma minoria em manipular e dominar os demais. Enfim, grifei o livro inteiro! Foi uma leitura maravilhosa, mas eu sei que se voltar pro inicio, ainda vou perceber muitos detalhes nas entrelinhas, e por isso vou reler em breve. 




1 comentários:

  1. Oi! Como não desejar e querer ler urgente um livro tão bem comentado como esse? Só posso dizer que a tua resenha me deixou ainda mais motivada e estou me contorcendo para não sair comprando o livro.. acredito que vou me revoltar em algumas (ou muitas) partes, não gosto de qualquer pessoa silenciada e isso vai me incomodar, mas deve ser uma história muito bem construída com uma mensagem profunda e atemporal.
    Beijos
    http://espiraldelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir