Páginas

[Desafio] 12 livros para ler em 2019

12 livros para ler em 2019 
Olá, pessoal!
Esses desafios sempre dão errado, todo ano!! ahahaha mas eu continuo me iludindo!
Esse ano resolvi fazer novamente, mas vou clocar apenas livros que já tenho aqui na estante e que estou, de fato, com vontade de ler logo. 

Então vamos logo:


1- Sherlock Holmes - Volume 1, Arthur Conan Doyle
"Todo mundo que sabe quem foi o detetive Sherlock Holmes, pode enumerar boa parte dos seus hábitos ou objetos preferidos e repetir algumas de suas frases célebres. Elementar. Mas o fato é que esse notável cavalheiro britânico, de astúcia incomparável e vícios mundanos, que povoa o imaginário coletivo dos ingleses desde 1887, 'jamais viveu e nunca morrerá'." - O Globo.
Esse volume contém os livros: 
- Um Estudo em Vermelho (romance) - 1887;
- O Sinal dos Quatro (romance) - 1890;
- As Aventuras de Sherlock Holmes (contos) - 1892.






2- Corte de asas e ruína, Sarah J maas 
O terceiro volume da série best-seller Corte de Espinhos e Rosas, da mesma autora da saga Trono de Vidro em “Corte de Asas e Ruína" a guerra se aproxima, um conflito que promete devastar Prythian. Em meio à Corte Primaveril, num perigoso jogo de intrigas e mentiras, a Grã-Senhora da Corte Noturna esconde seu laço de parceria e sua verdadeira lealdade. Tamlin está fazendo acordos com o invasor, Jurian recuperou suas forças e as rainhas humanas prometem se alinhar aos desejos de Hybern em troca de imortalidade. Enquanto isso Feyre e seus amigos precisam aprender em quais Grãos-Senhores confiar, e procurar aliados nos mais improváveis lugares. Porém, a Quebradora da Maldição ainda tem uma ou duas cartas na manga antes que sua ilha queime.




3- A volta de Mary Poppins, P.L. Travers
Se você já leu Mary Poppins, não pode perder A volta de Mary Poppins! Se não leu nenhum dos dois, está esperando o que para começar essa viagem em dose dupla?

Mary Poppins está de volta à família Banks – e com ela por perto a rotina se transforma em aventura! Uma babá na gaiola, o segredo dos bebês, as reviravoltas da segunda segunda-feira do mês, a noite de folga... Aproveite bem essa viagem mágica e misteriosa, antes que a corrente se quebre.

Publicado em 1935, A volta de Mary Poppins é um clássico para crianças e adultos. Essa linda edição traz o texto integral em bem-cuidada tradução, uma ótima apresentação e todas as ilustrações originais de Mary Shepard! E ainda cronologia de vida e obra de P.L. Travers. A edição impressa apresenta capa dura e acabamento de luxo.

4- As crônicas de Nárnia, C.S. Lewis
Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal - o que mais um leitor poderia querer de um livro? O livro que tem tudo isso é 'O leão, a feiticeira e o guarda-roupa', escrito em 1949 por Clive Staples Lewis. MasLewis não parou por aí. Seis outros livros vieram depois e, juntos, ficaram conhecidos como 'As crônicas de Nárnia'. Nos últimos cinqüenta anos, 'As crônicas de Nárnia' transcenderam o gênero da fantasia para se tornar parte do cânone da literaturaclássica. Cada um dos sete livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações. Esta edição apresenta todas as sete crônicas integralmente, num único volume. Os livros são apresentados de acordo com a ordem de preferência de Lewis, cada capítulo com uma ilustração do artista original, Pauline Baynes. Enganosamente simples e direta, 'As crônicas de Nárnia' continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades.
5- O retrato de Dorian Gray, Oscar Wilde 
Publicado em sua versão final em 1891, O retrato de Dorian Gray foi o primeiro sucesso literário de Oscar Wilde e, algo que se tornaria frequente durante a curta carreira do autor, motivo de grande escândalo. Exemplo extremo de um indivíduo que leva uma vida dupla, seu protagonista comete todo tipo de atrocidade enquanto mantém uma aparência intocada de beleza e virtude. Seu segredo, porém, está materializado em um retrato guardado em uma sala trancada, que reflete fisicamente as deformações de seu caráter. Ao longo da década em que Wilde conviveria com doses idênticas de fama e infâmia, seu único romance foi usado como parâmetro tanto de sua capacidade artística como de sua total inadequação à sociedade em que vivia.





6- Persuasão, Jane Austen
O enredo gira em torno de Anne Elliot, filha de Sir Walter Elliot, um vaidoso e esnobe baronete. No passado, Anne apaixonara-se por Frederick Wentworth, que, embora belo, inteligente e ambicioso, não tinha tradições ou conexões familiares importantes - e assim Anne fora persuadida pela família a romper com ele. Em 1815, momento em que se passam os eventos narrados no livro, a boa, generosa e sensível Anne Elliot continua solteira, mas agora, aos 27 anos, pensa com mais autonomia e maturidade. Agora, também, a situação financeira de Sir Walter Elliot é desfavorável, e ele se vê obrigado a alugar a propriedade da família. Por força do destino, o novo ocupante da residência é cunhado de Wentworth. Quase oito anos após o rompimento, Anne se verá novamente convivendo com seu grande amor, agora um capitão da Marinha, e reflexões, conjunturas e arrependimentos serão inevitáveis. Anne e Frederick se redescobrem apaixonados, e renovam o compromisso de casamento. Com o mesmo texto leve e envolvente - mas irônico e perspicaz - que a caracteriza, Austen faz aqui uma crítica à vaidade típica da sociedade inglesa do início do século XIX, ao mesmo tempo em que enfoca o tema do casamento, quase onipresente em seus escritos.
7- A garota italiana, Lucinda Riley
Uma inesquecível história de amor, traição, paixão, obsessão e música.
Aos onze anos de idade, Rosanna Menici conhece o cantor Roberto Rossini, uma estrela em ascensão no mundo da ópera italiana - e o homem que mudaria sua vida para sempre. Incentivada - e apaixonada - por ele, Rosanna passa a se dedicar ao estudo do canto lírico, torna-se cantora profissional, e logo os dois se encontram nas salas de concerto mais famosas do mundo, dividindo não só o palco como também o mesmo destino.
Com seu talento incomum para descrever ambientes e evocar sensações e sentimentos universais, Lucinda Riley nos leva a acompanhar a trajetória de Rosanna, desde os bairros pobres de Nápoles até os teatros mais glamourosos do planeta, trazendo à tona, com sua prosa inconfundível, as alegrias, tristezas, frustrações, decepções e redenções do amor.



8- Tarde demais, Colleen Hoover
Para proteger o irmão, Sloan foi ao inferno e fez dele seu lar. Ela está presa em um relacionamento com Asa Jackson, um perigoso traficante, e quanto mais os dias passam, mais parece impossível enxergar uma saída. Imersa em uma casa incontrolável que mais parece um quartel general, rodeada por homens que ela teme e sem um minuto de silêncio, também parece impossível encontrar qualquer motivo para se sentir bem. Até Carter surgir em sua vida. 
Sloan é a melhor coisa que já aconteceu a Asa. E se você perguntasse ao rapaz, ele diria que também é a melhor coisa que já aconteceu a Sloan. Apesar de a garota não aprovar seu arriscado estilo de vida, Asa faz o que é preciso para permanecer sempre um passo a frente em seu negócio e proteger sua garota. Até Carter surgir em sua vida. 
A chegada de Carter pode afetar o frágil equilíbrio que Sloan lutou tanto para conquistar, mas também pode significar sua única saída de uma situação que está ficando insustentável.
Colleen Hoover não tem medo de escrever sobre assuntos delicados e Tarde demais prova isso. Perpassando as formas mais cotidianas de machismo até as formas mais intensas e cruéis de abuso, a autora mergulha na espiral atordoante que é um relacionamento abusivo.

9-  Contos de Shakespeare, Charles e Mary Lamb
Shakespeare se tornou o dramaturgo mais conhecido de todos os tempos por várias razões: era genial com as palavras, entendia a alma humana como ninguém e falava de temas universais. Além disso, apresentava seu teatro para todo tipo de gente, conseguindo entreter ao mesmo tempo nobres, artesãos, letrados e analfabetos. No entanto, parte de sua popularidade se deve aos irmãos Charles e Mary Lamb, que, ao adaptarem vinte peças para o formato de conto, tornaram as histórias do autor inglês acessíveis a pessoas de diferentes idades e gêneros, em diversas partes do mundo.
Publicados em 1807, os contos dos Lamb eram destinados apenas ao público infantojuvenil e jovens senhoras – para quem as peças originais não eram recomendadas devido à dificuldade da língua e ao teor erótico –, mas agradaram também aos adultos e alcançaram enorme sucesso. Com o apogeu do império britânico, a coletânea atravessou os mares, chegou aos quatro cantos do globo e ganhou versões em chinês, japonês, hindi e em muitas outras línguas. Foi assim, por exemplo, que o Oriente entrou em contato com as peças do bardo.
Charles (1775-1834) e Mary (1764-1847) eram profundos conhecedores da obra de Shakespeare e acreditavam que a leitura deveria levar o jovem a sonhar, e não apenas incentivar as boas maneiras e os princípios elevados, como ensinavam os textos infantojuvenis da época. Charles adaptou seis peças – O rei Lear, Macbeth, Hamlet, Otelo, Romeu e Julieta e Timão de Atenas –, enquanto Mary cuidou dos textos restantes. Na primeira edição, apenas o nome de Charles apareceu na capa, apesar de os amigos saberem que Mary tinha feito a maior parte do trabalho.
No Brasil, o livro dos irmãos Lamb só chegou em 1920. Em 1943, a então Editora Globo de Porto Alegre (depois Globo Livros) publicou pela primeira vez a tradução irretocável de Mario Quintana, que nunca deixou de ser reeditada, passando apenas por atualizações ortográficas.
Até hoje, a coletânea Contos de Shakespeare é reconhecida como uma excelente introdução ao teatro shakespeariano para o público geral. Agora, a nova edição deste clássico ganhou ilustrações de Weberson Santiago, nova capa, novo projeto gráfico, prefácio inédito e texto de orelha de John Milton, especialista em Shakespeare, professor titular em Estudos da Tradução da USP.

10- E o vento levou, Margaret Mitchell 
Livro ganhador do prêmio Pulitzer de 1937. Sua adaptação para as telas, de 1939, foi indicada a 13 Oscars, ganhando oito, inclusive o de melhor filme e de melhor atriz para a inesquecível performance de Vivien Leigh. Um dos maiores clássicos do cinema.
E o vento levou, de Margaret Mitchell, traz a impressionante história da bela Scarlett O’Hara e de sua transformação de jovem impetuosa e mimada em mulher prática e disposta a tudo para conseguir o que deseja. Frustrada por não conseguir se casar com Ashley Wilkes, Scarlett acaba se envolvendo com o charmoso aventureiro Rhett Butler, com quem viverá uma das histórias de amor mais célebres e conturbadas da literatura. Mitchell descreve de maneira impressionante a Guerra Civil norte-americana e retrata as grandes mudanças que pavimentaram a história dos Estados Unidos e enterraram para sempre um estilo de vida.



11- Doze anos de escravidão, Solomon Northup 
Considerada a melhor narrativa já escrita sobre um dos períodos mais nebulosos da história americana, Doze anos de escravidão narra a história real de Solomon Northup, um negro livre que, atraído por uma proposta de emprego, abandona a segurança do Norte e acaba sendo sequestrado e vendido como escravo. 
Depois de liberto, Northup publicou o relato contundente de sua história, que se tornou um best-seller imediato. Hoje, 160 anos após a primeira edição, Doze anos de escravidão é reconhecido como uma narrativa de qualidades excepcionais. Para a crítica, o caráter especial do livro deve-se ao fato de o autor ter sido um homem culto que viveu duas vidas opostas, primeiro como cidadão livre e depois como escravo.






12- Os miseráveis, Victor Hugo
Um clássico da literatura mundial, esta obra é uma poderosa denúncia a todos os tipos de injustiça humana. Narra a emocionante história de Jean Valjean — o homem que, por ter roubado um pão, é condenado a dezenove anos de prisão. Os miseráveis é um livro inquietantemente religioso e político, com uma das narrativas mais envolventes já criadas.

0 comentários:

Deixe seu comentário